quinta-feira, 21 de junho de 2012


O Cinema Brasileiro 





Afinal de contas, quando se comemora? 5 de novembro ou 19 de junho?

Algumas pessoas preferem celebrar a data em 5 de novembro, para relembrar o aniversário da primeira exibição pública de cinema.


Porém......


No último dia 19, foi comemorado o Dia do Cinema Brasileiro. Data que marcou uma nova era para o país. Ao longo desses mais de 100 anos de história, muita evolução foi percebida no cenário nacional! Mesmo sendo vítima de muito preconceito, conseguimos produzir obras belíssimas. Filmes Hollywoodianos nos alienam de tal forma que não conseguimos abrir nosso campo de visão para outras produções. E uma delas está aqui bem perto da gente. Vale a pena ficar ligado no cinema brasileiro pois ainda promete muitas quebras de barreira!





A História


A primeira exibição de cinema no Brasil aconteceu em 8 de Julho de 1896, no Rio de Janeiro, por iniciativa do exibidor itinerante belga Henri Paillie. Naquela noite, numa sala alugada do Jornal do Comércio, na Rua do Ouvidor, foram projetados oito filmetes de cerca de um minuto cada, com interrupções entre eles e retratando apenas cenas pitorescas do cotidiano de cidades da Europa. Só a elite carioca participou deste fato histórico para o Brasil, pois os ingressos não eram baratos. Um ano depois já existia no Rio uma sala fixa de cinema, o "Salão de Novidades Paris", de Paschoal Segreto.
Os primeiros filmes brasileiros foram rodados entre 1897-1898. Uma "Vista da baia da Guanabara" teria sido filmado pelo cinegrafista italiano Afonso Segreto (irmão de Paschoal), em 19 de junho de 1898, ao chegar da Europa a bordo do navio Brèsil - mas este filme, se realmente existiu, nunca chegou a ser exibido. Ainda assim, desde os anos 1970, 19 de junho é considerado o Dia do Cinema Brasileiro.


Já em 1911, empresários norte-americanos visitaram o Rio de Janeiro para sondar o mercado cinematográfico brasileiro, e logo abriram o Cinema Avenida para exibir exclusivamente filmes da Vitagraph. Com a Primeira Guerra, a produção europeia se enfraquece, e os EUA passam a dominar o mercado mundial. Francisco Serrador cria a primeira grande rede de exibição nacional, em São Paulo, Rio de Janeiro, Niterói, Belo Horizonte e Juiz de Fora. Após um tempo, desiste de produzir e torna-se distribuidor de filmes estrangeiros.
Os filmes brasileiros passam a ter dificuldades de exibição, o que leva a uma queda de produção violenta. Surgem as revistas especializadas em cinema e começam a difundir-se os mitos e estrelas de Hollywood. A partir dos anos 1930, diversos acordos comerciais estabelecem que os filmes norte-americanos passam a entrar no Brasil isentos de taxas alfandegárias.


O primeiro filme sonoro brasileiro é a comédia "Acabaram-se Os Otários" de Luiz Barros, em 1929.


No Rio dos anos 40, Moacir Fenelon, José Carlos Burle e Alinor Azevedo criam a Atlântida Cinematográfica, sem grandes investimentos em infraestrutura mas com produção constante. Estréiam com o sucesso "Moleque Tião" (1941), drama baseado na vida do comediante Grande Otelo, que interpretou a si próprio no filme. Luiz Severiano Ribeiro, dono do maior circuito exibidor brasileiro, associa-se e passa a facilitar a exibição dos filmes da Atlântida, vindo a comprar a empresa em 1947. Pela primeira vez no cinema brasileiro, estão associados produção e exibição.



A Pornochanchada

A Pornochanchada é um gênero do cinema brasileiro comum na década de 1970. Surgiu em São Paulo, nos anos 70, foi uma produção bem numerosa e bem comercial, também conhecida como produção da Boca do lixo, de onde despontaram vários diretores de talento que souberam usar o que dava bilheteria na época (filmes eróticos softcore) para fazer filmes de grande valor estético e formal. Chamado assim por trazer alguns elementos dos filmes do gênero conhecido como chanchada e pela dose alta de erotismo que, em uma época de censura no Brasil, fazia com que fosse comparado ao gênero pornô, embora não houvesse, de fato, cenas de sexo explícito nos filmes. Revelou algumas atrizes que depois ficaram famosas na tv e passaram, de certa forma, a esconder de seus currículos a participação nos filmes do gênero.
Surgem como filmes feitos para as massas, muito influenciados pelas comédias populares italianas. As cotas de exibição obrigatória, impostas pelo governo do período da ditadura militar, davam espaço para o desenvolvimento desse gênero - a lei obrigava as salas de exibição a exibir uma cota de filmes nacionais por ano. O sucesso de público também foi essencial para o sucesso pois possibilitavam que o filme ficasse por mais semanas em cartaz. Ao contrario do que comumente se pensa, eles não eram financiados pela Embrafilme mas sim por produtores independentes, comerciantes locais, ou quem mais se interessasse, por que eram de fato muito lucrativos.
Inicialmente ficou conhecida como cinema da "boca do lixo", pois os filmes eram produzidos numa região da cidade de São Paulo conhecida por esse nome. Depois surgiu também a pornochanchada carioca.

Surgiram como filmes feitos para a grande massa, muito influenciada pelas comédias populares italianas. A cota de exibição obrigatória de filmes brasileiros, uma das muitas medidas de desenvolvimento econômico e cultural criadas pela chamada Ditadura Militar, dava espaço para o desenvolvimento desse gênero - a lei obrigava as salas de exibição a exibir uma cota de filmes nacionais por ano.
O sucesso de público também foi essencial para o gênero pois possibilitou que os filmes ficassem por mais semanas em cartaz.

A pornochanchada atraiu milhões de espectadores ao cinema na década de 1970, fazendo com que atores e atrizes alcançassem o estrelato. Alguns atores e atrizes conseguiram migrar para a televisão e para os filmes mais comerciais, mas outros permaneceram apenas no cinema até o fim desse período.

Dentre os atores que conseguiram mudar de estilo, destacam-se Sônia Braga, Nádia Lippi, Nuno Leal Maia, Antônio Fagundes, Reginaldo Faria, Helena Ramos, Lucélia Santos e Vera Fischer, sendo que esta chegou a ter problemas em sua cidade natal quando começou a participar de pornochanchadas.

Helena Ramos atuou no cinema nos década de 1970 e 80, participando de mais de vinte pornochanchadas, alguns grandes sucessos como “Roberta, a gueixa do sexo” (1978), Iracema (1979) e Mulher objeto (1981). Atuou também em “Guerra dos sexos” (1983).




A Atualidade

Com toda essa evolução que conseguimos destacar, hoje temos diretores e produtores famosos e de sucesso pelo mundo! O diretor Fernando Meirelles conseguiu reconhecimento internacional através de Cidade de Deus (2002), chegando à indicação do Oscar de Melhor Diretor em 2004. E ainda dirigiu outros filmes famosos como O Jardineiro Fiel (2005) e Ensaio Sobre a Cegueira (2008).

Carlos Saldanha é outra figurinha carimbada do cinema brasileiro no mercado internacional. Trabalhando nos Estados Unidos a algum tempo, ficou famoso pelo sucesso de bilheteria A Era do Gelo (2002), e suas duas continuações, lançadas em 2005 e 2009.



Filmes que marcaram época

A produção tem evoluído tanto ao longo dos anos que podemos destacar grandes obras, belíssimas e de muito bom gosto. Conseguindo, constantemente, figurar nas grandes premiações pelo mundo.

Veja abaixo alguns dos filmes que, na minha opinião, são excelentes e fizeram história:


O Pagador de Promessas (1962)





Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976)





Central do Brasil (1998)





Cidade de Deus (2002)





Tropa de Elite (2007)

13 comentários:

  1. Participei final de semana passado sobre a historia do cinema brasileiro, muito show e me deu uma oportunidade de escrever bastante sobre o assunto.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, conheço um pouco da história, mas talvez nao tao afundo como vc deve ter tido a oportunidade... realmente, é mto boa!!!

      Excluir
  2. Muito bem lembrado cara! Tá de parabéns pelo post, como sempre rsrs

    ResponderExcluir
  3. Ótimo post. Perfeito. Adoro os filmes citados pelas capas. Todos eles. abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vlw irmão! Realmente mto bons esses filmes msm.

      Excluir
  4. Bela postagem, Felipe. Adoro o cinema brasileiro e só não publiquei algo em meu blog porque acabei me esquecendo da data, mas ainda bem que você me lembrou. Vida longa ao cinema brasileiro.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Q bom q te lembrei! Uma data dessa nao podemos deixar passar despercebido!

      Excluir
  5. que bom que evoluímos. acho que tudo contribuiu para chegarmos onde estamos.

    ResponderExcluir
  6. Quando você mencionou que muitos atores permaneceram apenas no cinema e só até o fim desse período, isso me lembrou uma coisa curiosa: muitos atores que trabalharam no Cinema Brasileiro daquela época sumiram no Mundo, né? Não tem Google que localize eles hoje!
    Também é interessante lembrar que no final dos anos 70 e início dos 80, os Estados Unidos também tiveram a sua fase de pornochanchada (embora não recebessem esse nome lá). É só lembrar de filmes como A Última Festa de Solteiro, Férias do Barulho e O Último Americano Virgem pra constatar isso (são pornochanchadas ‘made in U.S.A.’). Não se vê nenhuma sacanagem a mais numa pornochanchada que não se veja nesses filmes que eu mencionei.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade.. Mto bem observado! Soh se fala dos "pornôs" brasileiros... Fato é q impressionante como grandes sucessos dessa época SUMIRAM!

      Excluir
  7. Bela homenagem ao cinema nacional, um dos mais ricos e subestimados. Aliás, a irreverência da pornochanchada se perdeu com o tempo, né?! Uma pena. Não é meu gênero favorito, mas é divertido. Só faltou uma maior atenção ao Cinema Novo, movimento mais importante do Brasil. E pelo menos uma menção ao genial Glauber Rocha, revolucionário. Aliás, entre os filmes marcantes, Deus e o Diabo na Terra do Sol e Terra em Transe cabiam lá. No mínimo. Mesmo assim, boa iniciativa. Abraços!

    ResponderExcluir
  8. Ótimo post, Felipe! muito bom ficar sabendo mais sobre o nosso cinema, você destacou os melhores mesmo, só achei que ainda ficou faltando as ótimas comédias "Lisbela e o Prisioneiro" e "Auto da compadecida". Apesar de serem poucos se comparados a outros países, o Brasil tem filmes muito bons!

    http://monteolimpoblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir